NOTÍCIAS

Vetria ampliará projeto de minério de ferro para R$ 11,5 bilhões

1 de março de 2013

rnA Vetria Mineração vai ampliar o tamanho de seu projeto de produção de minério de ferro em Corumbá (MS), com embarques em terminal portuário próprio em Santos (SP).  O valor do investimen

rn

A Vetria Mineração vai ampliar o tamanho de seu projeto de produção de minério de ferro em Corumbá (MS), com embarques em terminal portuário próprio em Santos (SP).  O valor do investimento subiu de R$ 7,6 bilhões para R$ 11,5 bilhões, com a nova escala de produção e vendas e a atualização de custos.

rn

Avaliações realizada por uma empresa especializada do potencial da jazida, que fica a cerca de 50 km de Corumbá, no maciço de Urucum, apontaram recursos minerais  inferidos  de 10 bilhões de toneladas — dez vezes o montante estimando antes.  “Isso nos dá uma nova dimensão para o projeto”, disse ao Valor o presidente da Vetria, Alexandre Santoro. 

rn

Alexandre Santoro: recursos dão nova dimensão ao projeto
A certificação da jazida, pela canadense Coffey Mining, é um passo muito importante para a evolução do investimento, afirmou  o executivo. Com isso, o novo desenho do projeto, lançado no fim de 2011,  prevê uma produção anual de 27,5 milhões de toneladas de minério, contra 20 milhões de toneladas de antes.

rn

A Vetria é uma associação entre a concessionária de ferrovias ALL, com 50,4% do capital, a Vetorial Participações, que era dona da jazida de ferro (33,8%) e a Triunfo Participações e Investimentos, com 15,8%, que detinha a concessão portuária em Santos. Para Santoro, uma das vantagens do projeto é que ele será totalmente integrado: da mina, interliagado a uma ferrovia, ao porto. Outro ponto atrativo é a qualidade do minério, com 64,5% de teor metálico de ferro, com cerca da metade de material granulado, o chamado “lump”, que tem prêmio no mercado global em relação ao sinter-feed (fino) e ao pellet-feed (superfino).

rn

O executivo observa que, apesar do aumento do volume de recursos no projeto, o custo do investimento por tonelada se manteve igual, em US$ 215. E que o custo de operação também permaneceu no mesmo patamar, na faixa de US$ 40 a tonelada já embarcada no navio.  Ao sair de Corumbá, o minério vai percorrer 1,7 mil km até Santos na malha Oeste da ALL, que será modernizada para receber carga pesada.

rn

É justamente no transporte que será alocado a maior parte do investimento projetado pela Vetria — R$  3,7 bilhões em material rodante (250 locomotivas de 4,2 mil HP de potência e 7 mil vagões) e R$ 2,7 bilhões na via permanente (troca de dormentes, trilhos e construção de pátios).  Na atividade de mineração (extração, britagem e classificação de produtos) estão orçados R$ 2,3 bilhões.  Para a instalação do terminal portuário, apto a receber navios capsize (de até 180 mil toneladas, saindo com carga de 120 mil)  estão previstos R$ 2,8 bilhões.

rn

A empresa vai se enquadrar na figura de usuário-investidor na ferrovia, elevando sua capacidade a 35 milhões de toneladas ao ano e direito de ocupação equivalente ao volume de sua produção de minério. Esse contrato, conforme regras do governo de 2011, está em análise na ANTT, agência reguladora do setor.

rn

A previsão da Vetria é completar a certificação da jazida até o fim do ano — avançando para quantidades indicadas e medidas. “Ao mesmo tempo, vamos buscar todas as licenças ambientais necessárias com o Ibama e as autorizações regulatórias para o terminal, que já tem pedido nos devidos órgãos de governo”, informa Santoro. O porto, segundo ele, ficou fora do pacote lançado pelo governo, pois já se enquadrava na categoria de terminal privativo com carga própria.

rn

Esse passo, avalia o executivo, é crucial para definir a etapa de capitalização do projeto. No momento, o modelo é de vender uma participação a sócios estratégicos e até para fundos de investimento institucionais. Não se cogita, ainda, abrir o capital da Vetria em bolsa. Para formatar a engenharia financeira, a mineradora quer contratar um banco de investimento no segundo semestre.  A empresa espera obter empréstimos do BNDES.

rn

O cronograma de implantação traçado prevê início de produção no segundo semestre de 2016. No começo, com volume anualizado de 5 milhões de toneladas de minério de ferro por ano, dobrando o número no ano seguinte e alcançando a plena capacidade em 2018. Atualmente, a mina, uma operação pequena, faz 1,2 milhão de toneladas por ano.

rn

Os principais mercados da Vetria para vender sua produção são países da Ásia, principalmente China, e da Europa.

rn

 

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



CBMINA: submissão de trabalhos pode ser feita até 13 de abril

5 de abril de 2018

Para reforçar a importância de mão de obra qualificada e garantir o crescimento responsável da atividade minerária no País, o…

LEIA MAIS

Sindirochas e Abirochas juntos no MME para discutir a CFEM

3 de dezembro de 2018

Os presidentes do Sindirochas, Tales Machado, e Abirochas, Reinaldo Sampaio, se reuniram com a Secretária de Geologia e Mineração e…

LEIA MAIS

MINÉRIO DE FERRO: Preço tem leve alta no mercado futuro

1 de novembro de 2017

O contrato mais negociado no mercado futuro de minério de ferro, na China, com vencimento em janeiro de 2018, passou de 428 para 429,5 iuanes, ou US$ 65,09 a tonelada, de acordo com o câmbio.

LEIA MAIS