NOTÍCIAS

Visão do Correio: Rumo à economia verde

18 de junho de 2012

 rnComo era de se esperar, o estabelecimento de metas para o alcance da sustentabilidade, tema central da Rio+20, não seria tarefa fácil. Todos concordam com a necessidade de o mundo começar logo a transição pa

 

rn

Como era de se esperar, o estabelecimento de metas para o alcance da sustentabilidade, tema central da Rio+20, não seria tarefa fácil. Todos concordam com a necessidade de o mundo começar logo a transição para a economia verde — um dos temas-chave da conferência —, menos consumidora de energia, menos geradora de gases do efeito estufa, não desmatadora, não escravagista, mais inclusiva e menos concentradora de capital e rendas. Mas a concordância termina quando se trata de definir em detalhes o que vem a ser a economia verde, o que o mundo concorda em fazer e em que prazo pretende alcançá-la.

rn

Parece haver consenso quanto à inviabilidade de se manter o atual ritmo de apropriação dos recursos naturais, renováveis ou não. Afinal, qualquer ser de mediano bom senso percebe que o esgotamento desses recursos e as consequências da deterioração das condições ambientais não vão afetar apenas seus autores, mas a todos que habitam o planeta. O problema é comprometer todo mundo com ações simultâneas e distribuí-las na razão direta da responsabilidade de cada país pelos estragos já feitos e na proporção do potencial de cada um para gerar mais problemas.

rn

Para começar, que papel cabe aos países ricos? E aos emergentes e mais pobres? Quanto cada economia deverá mudar, abrindo mão de processos consolidados de produção em troca de outros mais adequados à sustentabilidade do planeta? Bom exemplo dessa dificuldade pode ser retirado da indústria automotiva. Nem é preciso tomar toda a sua vasta cadeia produtiva, basta pegar um de seus itens mais pesados, o aço. Não se faz aço sem mineração e sem a fundição em altas temperaturas. Isso demanda energia, a maior parte vinda dos carvões mineral e vegetal, da eletricidade e do gás. E ainda nem chegamos ao carro funcionando e consumindo combustível fóssil ou, no futuro, eletricidade. Quem investirá na produção do aço verde, se não houver a certeza de que os concorrentes não vão manter o processo antigo enquanto ele for menos oneroso?

rn

É verdade que a discussão do problema já é um grande avanço em relação ao passado recente, quando nem se tocava no assunto. Mas, como sempre, o discurso é muito mais fácil do que a ação. O que resta, então, é compreender que, com ou sem um acordo detalhado na Rio+20, o Brasil e os países que forem capazes podem e devem continuar avançando. Há políticas públicas a serem implantadas, decisões corporativas que podem ser tomadas e atitudes individuais que cabem ao cidadão.

rn

O governo tem aberto mão de tributos para estimular a produção de automóveis. É hora de condicionar isso a passos no rumo da economia verde, mediante o compromisso de produzir carros menos poluentes. Para ficar ainda no automóvel, o governo deve uma ação mais consistente no estímulo ao investimento em etanol, para evitar que vá para o lixo a tecnologia brasileira dos motores flex, em vez de continuar subsidiando o preço do combustível fóssil. E ao motorista e aos passageiros é inadiável ensinar que atirar embalagens e guimbas de cigarro pela janela não é apenas incivilizado, mas ecologicamente criminoso.

rn

 

 

Fonte: Clipping do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Belo Horizonte é o terceiro mercado de coworking no Brasil

27 de novembro de 2018

Maior empresa do setor no mundo lança espaço de seis andares na cidade Terceiro maior mercado de coworkings do Brasil…

LEIA MAIS

BH recebe 2º edição do evento “Fornecedores de Tecnologias para gestão e manejo de rejeitos de mineração”

28 de outubro de 2019

Empresas brasileiras e também companhias com atuação internacional que atuam no desenvolvimento de soluções para a gestão e o manejo…

LEIA MAIS

Royalty: mineradoras recolhem mais CFEM em 2018

5 de abril de 2018

A arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), considerada o royalty da mineração, totalizou R$ 211 milhões no mês…

LEIA MAIS