NOTÍCIAS

Artigo | Confúcio e o Carvão

1 de agosto de 2017

Fernando L. Zancan – Presidente da Associação Brasileira do Carvão Mineral

“Uma imagem vale mais que mil palavras”, é um dito popular de autoria do filósofo chinês Confúcio, que mostra o poder da comunicação via imagens. Isso se aplica ao caso do carvão. Estamos há 15 anos sem que um ministro de Minas e Energia visite o setor carbonífero catarinense. A última visita foi do ministro Rodolfo Tourinho, no início do século 21.
 
A imagem de um parque termelétrico de 857 MW, inserido no meio da cidade de Capivari de Baixo, ao lado da cidade de Tubarão, ligado pela Ferrovia Teresa Cristina a uma região produtora de carvão com cerca de 10 municípios, envolvendo na cadeia uma população de cerca de meio milhão de pessoas no sul de Santa Catarina, traz a reflexão do impacto econômico envolvido na cadeia econômica gerada pela mineração de carvão.
 
A indústria do carvão, ao movimentar a economia, traz consigo a melhora das condições de vida. Como exemplo, temos a cidade de Treviso que é o quarto melhor índice de desenvolvimento sustentável municipal do estado, isso fruto de boas gestões públicas na aplicação dos recursos advindos da economia do carvão que representam 64% do valor adicionado da economia da cidade. Os royalties do carvão representam 31% dos CFEM arrecadados pela mineração em Santa Catarina e contribuem para o desenvolvimento tecnológico da indústria do carvão, via uma Lei Estadual criada pelo governador Luiz Henrique da Silveira.
 
A indústria do carvão nacional, em especial em Santa Catarina, tem um enorme potencial de crescer e trazer desenvolvimento e renda, mas está estagnada, pois carece de uma política industrial. O estigma ambiental, veiculado atualmente não permite que uma discussão pragmática e técnica seja feita sobre como desenvolver o maior recurso energético que o Brasil tem.
 
A visita do Ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, a indústria carbonífera dos estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul, reveste-se de grande importância, pois ele poderá ver uma indústria que atende os requisitos de eficiência econômica, compromisso ambiental, visão de futuro e compromisso social.
 
Esperamos que, assim como o Governo Federal promoveu ações para estruturar políticas públicas para o gás natural, biocombustíveis, petróleoe setor elétrico, possa fazê-lo para o carvão mineral.
 
Existem projetos termelétricos e carboquímicos no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná em diversos estágios de desenvolvimento que podem atrair cerca de 10 bilhões de dólares de investimentos para a indústria do carvão.
 
Para que isso ocorra, torna-se necessário uma política industrial para o carvão. Esperamos que as poderosas imagens se transformem em ações concretas para o desenvolvimento do Sul do Brasil.
 
 
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Venda interna de aço cresce 2,3% em 2017

23 de janeiro de 2018

As vendas internas cresceram 2,3% em 2017 e atingiram 16,9 milhões de toneladas, de acordo com dados do Instituto Aço…

LEIA MAIS

Apesar de queda da cotação do ferro, receita do Brasil deve ser estável

27 de novembro de 2018

Cotação internacional do minério de ferro recuou de mais de 8% A cotação da tonelada de minério de ferro caiu…

LEIA MAIS

ArcelorMittal Tubarão lança projeto para dessalinizar água do mar

21 de janeiro de 2019

O projeto demandará investimentos em torno de R$ 50 milhões, gerará cerca de 220 vagas de emprego (no pico da…

LEIA MAIS