NOTÍCIAS

Brasil deve manter o crescimento do fluxo comercial, prevê OMC

13 de abril de 2012

rnProjeções de saldo comercial brasileiro vão de US$ 3 bilhões a US$ 10 bilhõesrn rn rnApesar do cenário negativo traçado pela Organização Mundial do Comércio (OMC) para

rn

Projeções de saldo comercial brasileiro vão de US$ 3 bilhões a US$ 10 bilhões

rn

 

rn

 

rn

Apesar do cenário negativo traçado pela Organização Mundial do Comércio (OMC) para as transações internacionais em 2012, o Brasil deve manter o crescimento do fluxo comercial (soma de importações e exportações) e também o superávit na balança comercial este ano. Em ambos os casos, porém, os avanços devem ser bem menores que em 2011.

rn

As projeções para o saldo da balança comercial, por exemplo, vão de US$ 3 bilhões, segundo a Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), até US$ 10 bilhões, nas contas Associação Brasileira das Empresas de Comércio Exterior (Abece) — ambas muito distantes do superávit de US$ 29,79 bilhões do ano passado.

rn

— Mantida a tendência do primeiro trimestre (as exportações brasileiras cresceram 5,8% sobre o ano passado), a corrente de comércio deve passar de US$ 500 bilhões, o que é muito positivo diante do cenário traçado pela OMC — diz Ramalho, presidente da Abece e ex-secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento.

rn

Como em 2011 a corrente de comércio somou US$ 480 bilhões, a Abece espera um avanço de 4,2% no fluxo comercial do país este ano. A crise que se arrasta na Europa deve afetar mais os exportadores brasileiros de commodities, do que que os de produtos industrializados.

rn

— O crescimento será mais modesto, sim, mas seria ruim se houvesse queda — diz.

rn

Elaboradas no fim de 2011, em meio às fortes quedas nos preços das commodities e ao enorme pessimismo que rondava a crise europeia, as projeções da AEB apontam para queda de 7% nas exportações e de 2,5% na corrente de comércio para 2012. Para a Abece, as exportações brasileiras devem ter expansão de 10% este ano, bem menor que os 26,8% de alta em 2011, enquanto as importações avançarão em ritmo semelhante.

rn

José Augusto Castro, presidente da AEB, observa que o cenário hoje está melhor. Os preços da soja, por exemplo, já subiram 25% em relação a dezembro, o que levou os produtores brasileiros antecipar as exportações. O minério de ferro também se recuperou e está num patamar bom. Por isso Castro vê o quadro apresentado pela OMC ontem como excessivamente pessimista.

rn

— Não vejo motivo para pessimismo tão grande, porque com tudo que está acontecendo o mundo continua crescendo — diz ele.

rn

A AEB só vai revisar suas projeções em julho, mas se fosse hoje o cenário o comércio exterior brasileiro seria melhor que as traçadas em dezembro, com um superávit de balança entre US$ 10 bilhões e US$ 15 bilhões.

rn

rn

 

Fonte: O Globo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



III Semana de Engenharia de Minas da Universidade Federal da Bahia ocorre em novembro

29 de outubro de 2018

A Universidade Federal da Bahia (UFBA) promove em novembro, entre os dias 12 a 14, a III Semana de Engenharia de Minas…

LEIA MAIS

Centro de Operações Integradas completa um ano de funcionamento

24 de setembro de 2018

A integração da cadeia de valor de Ferrosos, por meio do Centro de Operações Integradas (COI), é uma realidade na…

LEIA MAIS

ArcelorMittal Tubarão lança projeto para dessalinizar água do mar

21 de janeiro de 2019

O projeto demandará investimentos em torno de R$ 50 milhões, gerará cerca de 220 vagas de emprego (no pico da…

LEIA MAIS