NOTÍCIAS

Desenvolvimento de Normas Internacionais da ISO em debate

12 de novembro de 2018

Produtores, consumidores, clientes e prestadores de serviços relacionados ao Setor Mineral Brasileiro reuniram esforços para desenvolver e atualizar normas técnicas internacionais relacionadas à mineração. Nesse contexto, a coordenadora do Comitê para a Normalização Internacional em Mineração (CONIM) do Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), Rejane Carvalho, participou de uma série de reuniões no Pará (PA) para discutir as normas da ISO (International Organization for Standardization).

Os encontros foram realizados de 5 a 9 de novembro. Estiveram em debate as ISO para análises químicas e amostragem de ferroníquel e de minérios e concentrados de cobre. As reuniões são realizadas nas unidades operacionais da Vale , Onça Puma (Ourilândia do Norte) e Salobo (Marabá), ambas no Pará.

Participaram também os integrantes do Comitê Brasileiro para Normalização Internacional de Minérios, Concentrados e Produtos Primários de Cobre e Níquel (CEE-81) da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) . Entre eles: Arnaldo Borges, Mônica César, Samuel Martins, Fernando Lima Regis, Flavio Cruz, Helbert Lino, Eugênio Oliveira, Virgínio Pasqualon, Luzia Chaves e Daniela Sedraz.

Para Rejane Carvalho, “estar alinhadas às normas ISO traz diversos ganhos para as organizações, como melhora da competitividade, de relacionamento com os setores envolvidos e, principalmente, maior confiabilidade nacional e internacional”.

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Gerdau apoia workshop do projeto Gustavo Penna 73/23

19 de novembro de 2018

Hoje e amanhã (19 e 20 de novembro), a Escola de Arquitetura e Urbanismo da PUC Minas – Poços de…

LEIA MAIS

Minério mantém alta

5 de dezembro de 2017

Em sua quinta alta consecutiva, o minério de ferro atingiu o maior valor desde 14 de setembro no mercado à…

LEIA MAIS

Produção da Vale bate recorde no trimestre

20 de outubro de 2017

O complexo atingiu recorde trimestral de 45 Mt no terceiro trimestre, ao produzir 8,5% a mais do que no segundo trimestre.

LEIA MAIS