NOTÍCIAS

Diminui o ritmo de queda da atividade na indústria da construção, informa CNI

29 de junho de 2017

Nível de utilização da capacidade de operação do setor está em 55% e a disposição dos empresários para investir continua muito baixa

O indicador de nível atividade na indústria da construção ficou em 44,1 pontos e o de número de empregados no setor alcançou 42,7 pontos em maio. Embora mostrem retração da atividade e do emprego, o ritmo da queda dos dois indicadores está menor do que o registrado no ano passado, informa a pesquisa divulgada nesta terça-feira, 27 de junho, pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). “No acumulado do ano, os indicadores aumentaram 6,2 e 6,7 pontos respectivamente, apontando menor ritmo de queda da atividade e do emprego este ano”, diz a CNI. Os indicadores da pesquisa variam de zero a cem pontos. Quando estão abaixo dos 50 pontos mostram queda na atividade e no emprego do setor.

O nível de utilização da capacidade operacional ficou estável em 55%. Ou seja, 45% das máquinas, equipamentos e pessoal do setor estavam parados em maio. Com isso, a disposição dos empresários para investir continua muito baixa. Em junho, o indicador de intenção de investimento caiu para 27,2 pontos, valor 1,3 inferior ao de maio. O índice varia de zero a cem pontos, quanto menor o valor, mais baixa é a propensão dos empresários para investir.

“A recuperação da indústria da construção depende do aumento da confiança dos empresários e dos consumidores, da manutenção da trajetória de queda dos juros e da retomada da economia”, afirma a economista da CNI Flávia Ferraz.

PERSPECTIVAS – A pesquisa informa que as estimativas dos empresários da indústria da construção ficaram estáveis pelo segundo mês consecutivo. O indicador de evolução da atividade ficou em 49,7 pontos em junho, muito próximo dos 50 pontos. Isso mostra que há a perspectiva de manutenção na atividade nos próximos seis meses.

O indicador de expectativas de novos empreendimentos e serviços ficou em 48,8 pontos, o de compra de insumos e matérias-primas alcançou 48,3 pontos e, o de número de empregados, 48 pontos. Os indicadores de expectativa variam de zero a cem pontos. Valores abaixo de 50 pontos mostram que os empresários estão pessimistas.

Esta edição da pesquisa foi feita entre 1º e 12 de junho com 604 empresas. Dessas, 210 são pequenas, 262 são médias e 132 são de grande porte.

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Serabi aumenta reservas de ouro em 31%

12 de dezembro de 2017

A Serabi Gold disse ontem (11) que a nova estimativa de reservas minerais provadas e prováveis para as minas de…

LEIA MAIS

Estão abertas inscrições para treinamento sobre Apreciação de Risco em Máquinas da Schmersal

22 de outubro de 2018

Multinacional alemã líder mundial em sistemas de segurança para máquinas industriais, a Schmersal divulga o inicio das inscrições para o…

LEIA MAIS

Centro de Tecnologia de Ferrosos da Vale completa 10 anos

15 de outubro de 2018

A Vale possui um dos mais avançados centros de pesquisas na aplicação de minério de ferro e carvão na siderurgia….

LEIA MAIS