NOTÍCIAS

Justiça mantém cobrança da taxa minerária no Pará

19 de junho de 2012

rnAs empresas Vale S.A., Salobo Metais e Vale Mina do Azul S/A, todas vinculadas ao grupo Vale no Estado, terão que pagar a primeira parcela da dívida relativa à taxa minerária cobrada pelo Governo do Pará. A taxa f

rn

As empresas Vale S.A., Salobo Metais e Vale Mina do Azul S/A, todas vinculadas ao grupo Vale no Estado, terão que pagar a primeira parcela da dívida relativa à taxa minerária cobrada pelo Governo do Pará. A taxa foi criada ano passado como mecanismo de controle e fiscalização do segmento minerário no Pará.

rn

As três empresas da Vale haviam recorrido à Justiça para evitar o pagamento da taxa, com base em um mandado de segurança impetrado na 6ª Vara de Fazenda Pública, em Belém. A juíza Ana Patrícia Nunes Alves, titular da Vara, já havia negado o pedido de liminar na semana passada. As empresas, então, recorreram ao Tribunal de Justiça do Estado, que na manhã desta terça-feira (19) manteve a decisão da 1ª entrância. O desembargador relator, Constantino Guerreiro, em decisão monocrática, também negou o recurso às três empresas.

rn

Segundo o procurador geral do Estado, Caio de Azevedo Trindade, a decisão do desembargador ainda não foi publicada, mas é possível adiantar que as empresas não poderão recorrer de imediato nesta situação. “Vamos aguardar a publicação da decisão judicial, mas podemos dizer que a Vale terá que pagar a TFRM, assim como as demais empresas do setor minerário. O governo do Estado, por meio da Secretaria da Fazenda (Sefa), já adotou as medidas administrativas cabíveis e deu início à ação fiscal”, informou Caio Trindade, após tomar conhecimento da decisão do desembargador relator.

rn

rn

“A TFRM tem por objetivo subsidiar e garantir ao Estado o exercício do poder de polícia, ou seja, o controle e a fiscalização de todo o segmento minerário. Antes de a taxa ser criada, não havia esse mecanismo de fiscalização e controle do setor mineral em nenhum Estado brasileiro produtor de minério, uma vez que os Estado não tinham como arcar com esse custo. Além do Pará, criaram a taxa o Amapá e Minas Gerais”, destacou o procurador geral.

rn

O projeto de Lei Ordinária (215/2011), que permitiu a criação da Taxa de Controle, Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Pesquisa, Lavra, Exploração a Aproveitamento de Recursos Minerários (TFRM) e do Cadastro Estadual de Acompanhamento e Fiscalização das Atividades de Pesquisa, Lavra Exploração e Aproveitamento de Recursos Minerários (CFRM), prevê o pagamento de três Unidades Padrão Fiscal do Estado do Pará (UPF-PA), equivalente a R$ 6,00, por tonelada de minério extraído. Estarão isentos do pagamento da taxa microempresas e empresários individuais do setor mineral.

rn

rn

 

Fonte: Agência Pará de Notícias

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Cazaquistão recebe este ano o World Mining Congress

16 de abril de 2018

Com uma gama diversificada de commodities minerais, o Cazaquistão é o maior produtor mundial de urânio, o segundo maior de cromita e…

LEIA MAIS

Votorantim Cimentos apoia projeto de resgate histórico-cultural em Corumbá (MS)

17 de dezembro de 2018

Projeto “Todo Lugar tem uma História para Contar”, do Museu da Pessoa, reuniu histórias de vida dos moradores que impulsionou…

LEIA MAIS

Vale anuncia a venda dos seus ativos de nitrogenados e fosfatado em Cubatão à Yara

21 de novembro de 2017

A Vale informa que celebrou um acordo de compra de cotas com Yara International ASA, empresa listada na Bolsa de…

LEIA MAIS