NOTÍCIAS

Vale aumenta embarques para China e vê demanda 5% maior em 2012

16 de julho de 2012

rnDestino de quase metade das vendas da Vale, a China freou seu crescimento e reduziu exportações e importações. O cenário trouxe dúvidas sobre o desempenho da mineradora brasileira.rnÀ Folha o diretor

rn

Destino de quase metade das vendas da Vale, a China freou seu crescimento e reduziu exportações e importações. O cenário trouxe dúvidas sobre o desempenho da mineradora brasileira.

rn

À Folha o diretor-executivo de Minério de Ferro e Estratégia da Vale, José Carlos Martins, disse, porém, que os embarques para o país se mantêm em alta, os preços do minério tendem a ficar “voláteis” e que a demanda pelo produto crescerá 5% neste ano -mesmo ritmo registrado de janeiro a maio.

rn

“A China vai continuar crescendo”, diz diretor-executivo da Vale

rn

O PIB mais fraco da China no segundo trimestre (7,6%), anunciado ontem, já estava nas contas das mineradora. O resultado foi bem recebido, e as ações da Vale subiram 1,84% na Bovespa.

rn

“A China passa por um processo de redução no investimento e de aumento do consumo. O setor externo também reduz seu dinamismo, mas a economia ainda crescerá entre 7% e 8% neste ano, um número ainda invejável.”

rn

Para Martins, a Vale não terá “problemas para colocar” minério na China, que manterá seu consumo aquecido, mesmo com o novo modelo de crescimento sustentado pelo mercado interno.

rn

Haverá apenas uma troca, prevê o executivo. O uso de aço (o minério de ferro é sua principal matéria-prima) para veículos, eletrodomésticos e residências terá um “grande impulso”. Já a utilização em obras de infraestrutura, máquinas e equipamentos e bens exportados será menor.

rn

Com isso, diz, a procura por minério seguirá firme e beneficiará Brasil e Austrália, onde a produção já cresce, ao contrário de China e Índia.

rn

“Ainda há muito minério de custo alto [de produção nesses dois países asiáticos] a ser substituído pelos produtores mais competitivos [o caso da Vale]. É uma questão de competitividade, qualidade e preço.”

rn

Para Martins, a maior oferta explica a redução dos preços do minério de ferro, e não a falta de demanda.

rn

As cotações caíram da faixa de US$ 170 a tonelada em 2011 para US$ 140 neste ano.

rn

 

Fonte: Portos e Navios

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



MRN é destaque no Prêmio Redes Fiepa de Desenvolvimento

1 de outubro de 2020

A empresa figurou no Top2, da categoria Percetum. Só em 2019, a mineradora efetuou 60% de suas compras no Pará…

LEIA MAIS

Mineração Serra Verde apresenta melhorias no projeto de Terras Raras em Minaçu

6 de outubro de 2020

A Mineração Serra Verde traz a público atualizações em seu projeto de Terras Raras em Minaçu, Goiás, que proporcionarão ainda mais segurança,…

LEIA MAIS

10º CBMINA: inscreva seu trabalho técnico até 25 de janeiro

10 de dezembro de 2020

Evento reforça interação entre mineradoras e universidades em prol de futuro mais sustentável do setor As inscrições para a submissão…

LEIA MAIS