NOTÍCIAS

Vale vê preços mais baixos para o minério

27 de julho de 2012

Segundo presidente, plano de investimentos será monitorado todas as semanas e projetos poderão ser adiadosrnrnO presidente da Vale, Murilo Ferreira, disse ontem que a companhia está trabalhando com um cenário de pre&ccedil

Segundo presidente, plano de investimentos será monitorado todas as semanas e projetos poderão ser adiados

rn

rn

O presidente da Vale, Murilo Ferreira, disse ontem que a companhia está trabalhando com um cenário de preços de minério de ferro “menores do que os esperados” nos próximos meses. A declaração veio um dia depois de a mineradora anunciar uma queda de 48% no lucro do segundo trimestre, para R$ 5,3 bilhões.

rn

 

rn

A empresa trabalhou com um preço médio para o minério de ferro no segundo trimestre de US$ 103,29 por tonelada, valor quase 29% inferior ao negociado entre abril e junho de 2011. Segundo o diretor de Ferrosos e Estratégia da Vale, José Carlos Martins, os preços do minério no mercado à vista estão hoje pouco abaixo de US$ 120.

rn

Para Martins, do ponto de vista macroeconômico, ainda há dúvidas sobre o crescimento chinês – o executivo disse que ainda existe um “grau de incerteza” em relação à performance da segunda maior economia do mundo, apesar de dados recentes mostrarem que o crescimento continua forte no país. Ele afirmou que a Vale acompanha de perto o quadro europeu, situação para a qual espera uma “solução palatável”.

rn

O diretor da Vale declarou que a empresa está “moderadamente otimista” em relação aos preços de seu principal produto, prevendo que a cotação do minério de ferro varie de US$ 120 a US$ 180 nos próximos meses.

rn

Investimentos. Murilo Ferreira afirmou também que a Vale irá monitorar semanalmente o seu programa de investimentos por conta do cenário desafiador do mercado.

rn

Martins explicou que os dispêndios da mineradora programados para este ano “dificilmente ocorrerão com a atual taxa de câmbio”. Por essa razão, a empresa passa por um momento de ajustes de seu orçamento. Por outro lado, o presidente da Vale salientou que “não haverá nenhum movimento abrupto” e que nenhum projeto em fase final será interrompido.

rn

A Vale já alterou prazos e valores de alguns investimentos. O orçamento do projeto CLN 150 Mtpa, que amplia a capacidade da Ferrovia de Carajás, no Pará, subiu de US$ 3,477 bilhões para US$ 4,114 bilhões. A Vale também revisou seu plano de construção de uma usina de pelotização no Espírito Santo. O investimento para Tubarão VIII passou de US$ 968 milhões para US$ 1,088 bilhão. A entrada em operação foi adiada do segundo semestre deste ano para o primeiro semestre de 2013.

rn

A Vale refez também o orçamento para o projeto de cobre Salobo. A nova meta é gastar US$ 2,507 bilhões, acima dos US$ 2,337 bilhões programados inicialmente.

rn

 

Fonte: O Estado do S. Paulo

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Belo Horizonte é o terceiro mercado de coworking no Brasil

27 de novembro de 2018

Maior empresa do setor no mundo lança espaço de seis andares na cidade Terceiro maior mercado de coworkings do Brasil…

LEIA MAIS

Cazaquistão recebe este ano o World Mining Congress

16 de abril de 2018

Com uma gama diversificada de commodities minerais, o Cazaquistão é o maior produtor mundial de urânio, o segundo maior de cromita e…

LEIA MAIS

AngloGold Ashanti realiza simulado de emergência de barragem na comunidade de Barra Feliz

19 de novembro de 2018

Terceiro evento em Santa Bárbara mobiliza moradores. Mais de 240 se envolveram na ação, 60% do público-alvo. Próximo treinamento ocorrerá…

LEIA MAIS