NOTÍCIAS

Banco Mundial: Com cenário incerto, emergentes devem focar crescimento

16 de janeiro de 2013

rnSÃO PAULO – Os países em desenvolvimento precisam focar no crescimento potencial de suas economias, enquanto se fortalecem para lidar com os riscos trazidos pela situação na zona do euro e pela política fiscal dos

rn

SÃO PAULO – Os países em desenvolvimento precisam focar no crescimento potencial de suas economias, enquanto se fortalecem para lidar com os riscos trazidos pela situação na zona do euro e pela política fiscal dos Estados Unidos, avaliou o Banco Mundial no relatório Perspectiva Econômica Global (GEP, na sigla em inglês), divulgado nesta terça-feira. Segundo o documento, quatro anos após o início da crise, a economia mundial ainda permanece frágil e o crescimento nos países desenvolvidos ainda é fraco.

rn

“A recuperação econômica continua frágil e incerta, o que atrapalha a volta de uma aceleração mais robusta”, afirmou o presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim. “Até agora, os países em desenvolvimento têm se mostrado notoriamente resistentes e não podemos esperar pelo retorno do crescimento nos países desenvolvidos. Então, temos que continuar apoiando os emergentes a investir em infraestrutura, saúde e educação”.

rn

No ano passado, os países em desenvolvimento apresentaram suas menores taxas de crescimento da última década. A desaceleração se deu, em parte, pelo forte grau de incerteza na zona do euro entre maio e junho de 2012. Desde então, as condições do mercado financeiro melhoraram drasticamente. O fluxo de capital estrangeiro para os países emergentes, que recuou 30% no segundo trimestre de 2012, recuperou-se e o spread dos títulos caiu para abaixo da média de longo prazo.

rn

Entretanto, o lado real da economia respondeu modestamente. A produção nos emergentes acelerou, mas ela é prejudicada pelo investimento menor e pela atividade industrial fraca nas economias mais avançadas.

rn

“Com os governos dos países desenvolvidos lutando para tornar as medidas fiscais mais sustentáveis, os emergentes devem tentar garantir uma política fiscal e monetária robusta, voltada para as condições domésticas”, disse o economista-chefe do Banco Mundial, Kaushik Basu.

rn

De acordo com o documento, a economia do Brasil deve expandir apenas 0,9% em 2012. No entanto, as políticas monetárias mais acomodatícias, um fluxo de capital estrangeiro mais forte e o aumento da demanda externa devem impulsionar o crescimento da América Latina. Entre 2013 e 2015, a economia da região deve avançar, em média, 3,8%.

rn

O Banco Mundial avalia que a piora da crise da zona do euro, as questões fiscais nos Estados Unidos, uma forte desaceleração dos investimentos na China e uma eventual ruptura na oferta de petróleo são alguns dos riscos negativos que podem afetar a saúde da economia global, embora a probabilidade desses riscos se tornarem reais e seus potenciais impactos estejam menores atualmente.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Minério mantém alta

5 de dezembro de 2017

Em sua quinta alta consecutiva, o minério de ferro atingiu o maior valor desde 14 de setembro no mercado à…

LEIA MAIS

Vale anuncia a venda dos seus ativos de nitrogenados e fosfatado em Cubatão à Yara

21 de novembro de 2017

A Vale informa que celebrou um acordo de compra de cotas com Yara International ASA, empresa listada na Bolsa de…

LEIA MAIS

Inscrições abertas para submissão de trabalhos na Minexcellence 2019

10 de setembro de 2018

O 4º Seminário Internacional de Excelência Operacional em Mineração (Minexcellence 2019) será realizado em Santiago, no Chile, entre os dias…

LEIA MAIS