NOTÍCIAS

BAUXITA E FERRO COMPÕEM PROJETOS ESTIMADOS EM US$ 9 BILHÕES

5 de abril de 2012

A World Mineral Resources Participações S.A. (WMR), mineradora criada pelo geólogo baiano João Carlos Cavalcanti, toca três projetos na Bahia estimados em valor presente líquido de US$ 9 bilhõ

A World Mineral Resources Participações S.A. (WMR), mineradora criada pelo geólogo baiano João Carlos Cavalcanti, toca três projetos na Bahia estimados em valor presente líquido de US$ 9 bilhões. O montante é o total estimado para um depósito de minério de ferro de 4 bilhões de toneladas, outro de bauxita usada na produção de alumínio ainda não medida em quantidade e um terceiro de terras raras com 28 milhões de toneladas. O comunicado formal das descobertas será realizado no final deste mês ao Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), conforme antecipou ao iG.

rn

O cálculo do geólogo é de que a WMR consiga levantar 20% desse capital, cerca de US$ 1,8 bilhão, por meio da venda de parte dos projetos a investidores internacionais dispostos a garantir insumos minerais. A maior parte pode vir da mina de ferro Caetité do Norte, um bloco mineral estendido por 50 mil hectares. “Trata-se de uma nova província mineral no Brasil, com diversos depósitos minerais num raio de 50 quilômetros. Temos sete blocos grandes que podem chegar a 4 bilhões de toneladas de minério com teor que pode variar entre 38% e 40% de ferro”, diz Cavalcanti.

rn

O depósito é avaliado por ele em US$ 6 bilhões. A meta inicial é confirmar entre 600 e 800 milhões de  toneladas de  ferro  para  viabilizar projeto  orçado  em  US$  2  bilhões  para  instalar  a estrutura industrial necessária para produzir 20 milhões de toneladas anuais de pellet feeed (o minério concentrado com teor padrão internacional médio de 65% de ferro). “Já fizemos o ensaio tecnológico para produzir pellet feed com 65%, igual ao da Vale e da BHP Billiton”, afirma.

rn

Segundo ele, a Vale sondou a região sem encontrar o mineral. “Grande parte [do depósito] estava descoberto por uma camada de areia. A Vale passou batido por lá”, conta. “Ela tinha requerido cinco áreas, mas desistiu porque não viu [a reserva]. A Vale não soube acompanhar as anomalias magnéticas do terreno”, avalia.

rn

A confirmação geológica de apenas uma parte da reserva é pontapé da WMR para conseguir viabilizar o início do projeto. “Nosso objetivo agora é cubar [comprovar reserva] 600 a 800 milhões de toneladas de recursos medidos para produzir a preço de US$ 142 por tonelada de pellet feed”, diz Cavalcanti.

rn

A mineradora pretende investir US$ 60 milhões na empreitada. O passo seguinte será atrair investidores para construir a mina. “Já existe interesse de vários grupos internacionais. Acabamos de voltar dos Estados Unidos e Canadá, onde sentamos com um banco de investimento interessado em entrar no projeto”, revela.

rn

O corredor logístico é necessário para ligar Caetité Norte à Ferrovia de Integração Oeste- Leste, em construção pelo governo da Bahia. O ramal está orçado em US$ 280 milhões para conectar as cidades Lagoa Real e Macaúba, norte baiano. “Já tive uma reunião com o ministro dos Transportes, doutor Paulo Sérgio, e já discutimos esse ramal ferroviário que deve ser construído pela Valec estatal ferroviária federal]”, diz o geólogo.

rn

Bauxita ao lado da Rio Tinto

rn

Outro projeto em fase de pesquisa pela WMR está sendo toado em Boa Vista do Tupi, região central da Bahia, onde a empresa avalia reserva de bauxita com teor de óxido de alumínio entre 15% e 56%. A investida é para identificar bloco mineral com o insumo do alumínio com teor médio padrão de 30% para estruturar um projeto de exploração. “Provavelmente vamos produzir alumina [concentrado feito de bauxita para produção de metal] em Boa Vista do Tupi e levar para um lugar com energia mais barata [para produzir chapas de alumínio]”, antecipa Cavalcanti.

rn

Ele explica que apesar de estar em uma região onde não há floresta tropical, local mais comum para a incidência de bauxita, a reserva é uma extensão do corpo mineral localizado pela anglo-canadense Rio Tinto Alcan em Jaguaquara, sudeste baiano, na qual a gigante da mineração investe US$ 4,5 bilhões para produzir 1,8 milhão de toneladas anuais. “A Rio Tinto achou que tinha descoberto tudo. 

rn

Só que a rocha mãe se prolonga para o norte, chegando em Boa Vista do Tupi, onde há milhões de anos havia floresta tropical”, afirma.

rn

 

 

Fonte: IG

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Inscrições abertas para submissão de trabalhos na Minexcellence 2019

10 de setembro de 2018

O 4º Seminário Internacional de Excelência Operacional em Mineração (Minexcellence 2019) será realizado em Santiago, no Chile, entre os dias…

LEIA MAIS

Estão abertas inscrições para treinamento sobre Apreciação de Risco em Máquinas da Schmersal

22 de outubro de 2018

Multinacional alemã líder mundial em sistemas de segurança para máquinas industriais, a Schmersal divulga o inicio das inscrições para o…

LEIA MAIS

Entidades buscam resolução para demanda represada no embarque de rochas ornamentais

5 de novembro de 2018

Com apoio do Governo do Espírito Santo, Sindicato das Indústrias de Rochas Ornamentais, Cal e Calcário do Estado do Espírito…

LEIA MAIS