NOTÍCIAS

Conheça os projetos de Robótica do Instituto Tecnológico Vale

29 de junho de 2017

A iniciativa, além de possibilitar o desenvolvimento de soluções inovadoras para as operações da Vale, serve de base para os programas de ensino e de apoio para o treinamento dos empregados

O Instituto Tecnológico Vale, em Ouro Preto, Minas Gerais, que possui um dos laboratórios mais avançados do país, vem investindo cada vez mais em projetos de Robótica. A iniciativa, além de possibilitar o desenvolvimento de soluções inovadoras para as operações da Vale, serve de base para os programas de ensino e de apoio para o treinamento dos empregados.

O EspeleoRobô, o Robô de Qualificação Mineral na Frente de Lavra, o Sistema de Direção Assistida para Caminhões ForadeEstrada, o Arcabouço para a Teleoperação de Escavadeiras, e o Mapeamento por Drones são alguns dos trabalhos que se destacam. Saiba mais sobre os projetos:

Robô que inspeciona cavidades

Partindo de um projeto iniciado pela equipe de Espeleologia da Vale, que idealizou um robô para fazer inspeção nas cavidades (evitando a exposição dos técnicos a perigos como animais peçonhentos, e riscos de desmoronamento, por exemplo), a equipe do laboratório de robótica do ITV o aperfeiçoou e chegou ao novo protótipo do EspeleoRobô.

Uma das primeiras medidas foi o desenvolvimento de um sistema intercambiável de locomoção e hoje, além de pernas, o robô pode se locomover por rodas, esteiras, rodas tipo estrela com cinco pontas, e mesmo sistemas híbridos, que são facilmente trocados através de um sistema de engate rápido. O robô também é equipado com câmeras que podem enviar as imagens captadas, através de rádio, para a equipe no exterior da cavidade. Com isso, todo o trabalho em campo de inspeção de cavidades passa a ser feito com muitos menos riscos para os profissionais que desenvolvem essa atividade.

Qualificação mineral em frente de lavras

Ainda no que se refere aos robôs, foi desenvolvido pelo laboratório o projeto de uso de um robô para realizar qualificação mineral nas frentes de lavra. Trata-se de uma plataforma que carrega uma série de sensores para fazer a qualificação mineral em campo, o que agiliza bastante o trabalho de planejamento da lavra, já que o robô faz a análise em campo e os resultados saem na hora, podendo identificar os diferentes tipos de minério. “Com esta tecnologia seria possível, por exemplo, realizar lavra seletiva, o que reduziria a diluição e a perda de minério lavrado”, afirma Wilson Miola, pesquisador titular do ITV da área de Automação e Robótica.

Dirigindo caminhões em condições adversas

Algumas minas da Vale perdem até 30% da produção em determinados meses por paralisação dos caminhões fora de estrada devido a condições climáticas adversas. Para permitir que os operadores possam dirigir estes equipamentos em condições de pouca visibilidade provocada por baixa luminosidade, neblina, chuva ou poeira, o laboratório de robótica está desenvolvendo um sistema de Direção Assistida, semelhante ao que é usado por pilotos de aviões quando navegam por instrumentos. Para isto, está sendo estudado o uso de sensores como laser, câmera térmica, câmera estéreo, sonar, radar e GPS. Com estes instrumentos embarcados no caminhão, será possível operar os caminhões mesmo com visibilidade mínima do ambiente ao redor e, ainda assim, garantir a segurança da operação, o que contribuiria, em muito, para aumentar a produtividade nas minas. Assim como o EspeleoRobô e o Robô de Qualificação mineral, este projeto conta também com a participação do SENAI/CIMATEC da Bahia e recursos do ITV, VALE e EMBRAPII.

Teleoperação de Escavadeiras

O ITV, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), propôs o desenvolvimento de um arcabouço de sistemas que possibilite a realização de tarefas de teleoperação de modo mais eficaz, eficiente e seguro, por meio da utilização de técnicas e metodologias de visão ativa, reconstrução tridimensional, interfaces hápticas, visualização de dados e planejamento, pelo uso de técnicas avançadas de visão computacional e robótica móvel cooperativa.

O projeto tem como foco a teleoperação de escavadeiras, buscando prover ao operador uma experiência de interação com ambiente remoto de forma mais natural possível.

O objetivo é proporcionar ao operador a percepção de estar interagindo diretamente com o ambiente remoto, porém sem perturbações típicas incluindo ruídos, vibrações e calor, somando ainda a possibilidade de ampliação da percepção do ambiente pela inclusão de sensores como câmeras, lasers, sensores hiperespectrais, dentre outros.

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Entidades buscam resolução para demanda represada no embarque de rochas ornamentais

5 de novembro de 2018

Com apoio do Governo do Espírito Santo, Sindicato das Indústrias de Rochas Ornamentais, Cal e Calcário do Estado do Espírito…

LEIA MAIS

Produção da Vale bate recorde no trimestre

20 de outubro de 2017

O complexo atingiu recorde trimestral de 45 Mt no terceiro trimestre, ao produzir 8,5% a mais do que no segundo trimestre.

LEIA MAIS

Instituto Tecnológico Vale abre inscrições para nova turma de Mestrado

22 de outubro de 2018

Instituto Tecnológico Vale (ITV), em Minas Gerais, acaba de abrir as inscrições para o processo seletivo 2019 do Mestrado Profissional…

LEIA MAIS