NOTÍCIAS

Individualização dos processos é fundamental para garantir a segurança das operações

9 de outubro de 2017

Neurocientista Luis Gaviria apresentou sua palestra “Neurociências aplicadas para estabelecer processos exitosos de segurança”, durante o 17º Congresso Brasileiro de Mineração. Confira a cobertura.

“Entender a natureza humana é fundamental para a redução do número de acidentes”. Esta foi uma das principais mensagens transmitidas pelo neurocientista Luis Gaviria, que  apresentou a palestra “Neurociências aplicadas para estabelecer processos exitosos de segurança”, durante o 17º Congresso Brasileiro de Mineração. A apresentação tocou em um dos pontos fundamentais para a atividade minerária e buscou chamar a atenção dos presentes para a individualização dos processos a fim de reduzir continuamente o número de acidentes do setor.
 
Gaviria é membro do Conselho de Governadores da Associação Internacional de Coaching (IAC) e Provost do Neuroscience & Coaching Institute, onde também ensina neurociência aplicada ao coaching e liderança. Na avaliação do palestrante é fundamental que os profissionais atuantes na área estejam mais presentes em campo. “Não podemos mais ficar restritos à teoria. Um mapa é diferente de um território, que é feito de experiências, de ações que, feitas repetidas vezes, nos ensinam a conduta correta. Precisamos passar menos tempo no computador e mais tempo com as pessoas”, disse.
 
Gaviria lembrou que as falhas humanas são responsáveis pela maior parte dos acidentes, independentemente do setor, e que o envolvimento dos profissionais relacionados à segurança na conscientização das equipes de trabalho é fundamental para reverter este quadro. “Realizar programas e campanhas uma vez ao mês ou ao ano não é suficiente. O cérebro humano é movido a estímulos que precisam ser renovados continuamente. Conhecer a norma não é o suficiente, é apenas um ponto de apoio. Com o neurocoaching é possível aumentar as horas sem acidentes incapacitantes, pois permite conhecer a natureza humana”, defende.
 
Sobre a prática, o convidado também garantiu: “O cérebro humano funciona em níveis básicos no que diz respeito à sobrevivência. Ele deseja reduzir as ameaças e buscar as recompensas. Acima disto está a transcendência, ou seja, sentir que o desempenho daquela atividade vale a pena. Isso tem a ver com se sentir útil e se ver como parte daquela empresa ou organização e, consequentemente, que os conceitos de cultura interna, que envolvem a segurança, sejam internalizados. Se as pessoas não forem capazes de entender desta maneira, não haverá evolução”.
Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Centro de Operações Integradas completa um ano de funcionamento

24 de setembro de 2018

A integração da cadeia de valor de Ferrosos, por meio do Centro de Operações Integradas (COI), é uma realidade na…

LEIA MAIS

Nota Técnica do Ministério do Trabalho esclarece o uso de “Robôs Colaborativos” frente à NR 12

3 de dezembro de 2018

A Nota Técnica nº 31/2018/CGNORDSST/SIT/MTb, expedida pelo Ministério do Trabalho, esclarece o uso de “Robôs Colaborativos” e de robôs tradicionais…

LEIA MAIS

Belo Horizonte é o terceiro mercado de coworking no Brasil

27 de novembro de 2018

Maior empresa do setor no mundo lança espaço de seis andares na cidade Terceiro maior mercado de coworkings do Brasil…

LEIA MAIS