NOTÍCIAS

METAIS SOBEM E VOLTAM A NÍVEIS DE SETEMBRO

1 de fevereiro de 2012

 rnDepois de um longo período de constante e intenso declínio nos preços internacionais dos metais, janeiro trouxe algum fôlego para os produtores das commodities. O mês foi marcado por uma recupera&cce

 

rn

Depois de um longo período de constante e intenso declínio nos preços internacionais dos metais, janeiro trouxe algum fôlego para os produtores das commodities. O mês foi marcado por uma recuperação das cotações: desde o início do ano, o alumínio alavancou 15%, enquanto o cobre subiu 12%, ambos voltando a patamares registrados em setembro. A esperança de que a crise européia terá um desfecho ameno, de que a China continuará sustentando a demanda global e de os EUA começarão a retomar o rumo do crescimento foi o sentimento que diminuiu a aversão ao risco dos mercados e impulsionou as cotações. Questionamentos surgem, no entanto, sobre a sustentação dessas altas e deixam o cenário para as commodities ainda nebuloso.

rn

“Houve um susto em 2011, mas o início deste ano veio positivo. A volatilidade acontece, pois os metais viraram hedge no mercado financeiro” afirmou Luciano Borges, consultor em mineração, ex-secretário nacional Minas e Metalurgia.

rn

Ontem no patamar dos US$ 2.299 por tonelada métrica na Bolsa de Metais de Londres (LME), o alumínio começou a se recuperar do declínio do passado. No mesmo passo, o cobre alcançou os US$ 8.495,50 por tonelada métrica. Ambas cotações mostram um retorno aos níveis vistos em setembro, quando a tendência de declínio se firmou nos mercados das commodities metálicas.

rn

Parte dessa retomada está embasada nos dados macroeconômicos positivos nos EUA. O clima otimista foi intensificado com as promessas do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos EUA) sobre a manutenção das taxas de juros baixas no país pelos próximos anos. O mesmo caminho está sendo tomado pela China, que quer voltar aos altos índices de crescimento. O país cresceu 8,9% no último trimestre de 2011, o pior desempenho desde 2009. Diante disso, iniciou um movimento de alívio da política monetária.

rn

“A China ainda tem crescimento surpreendente. Outros países emergentes também estão com dados positivos. A Europa, mesmo em crise, continua consumindo. A LME capta variações no curtíssimo prazo, mas os investidores têm visto que a demanda tende a voltar a se firmar”, explicou José Mendo de Souza, consultor em mineração.

rn

Do lado dos fundamentos econômicos, no entanto, janeiro foi ainda marcado pelos efeitos do excesso de oferta em alguns setores, como no de alumínio, – verificado desde o ano passado. O mercado acompanhou consecutivos anúncios de empresas – como a Alcoa, a Norsk Hydro e a Rio Tinto – cortando capacidade de produção ao redor do mundo, para enfrentar as baixas cotações.

rn

Diante de um cenário ainda conturbado, as perspectivas que se desenham para os metais não ferrosos são bastante variadas.

rn

Analistas do Barclays Capital acreditam que a desaceleração da demanda pelas commodities vai se estabilizar no primeiro trimestre, se traduzindo em uma “recuperação sequencial” no segundo.

rn

Em relatório, o banco afirma que o setor imobiliário chinês – grande consumidor dos metais – continuará a crescer, mas a passos menores, e que o país apresenta pequenos estoques, o que deve gerar um movimento de compra nos próximos meses.

rn

O Morgan Stanley, por outro lado, revisou para baixo as projeções para os metais em 2012, citando perspectivas pessimistas para a economia global e a possível alta do dólar ao longo do ano.

rn

“Em geral, estamos negativos com relação aos metais que têm grandes excessos de oferta, como no caso do alumínio, do níquel, chumbo e zinco”, afirmaram os analistas do banco em relatório. No mesmo caminho, o Standard Bank duvida de altas sustentadas. “Nós não acreditamos que a situação se sustentará por muito tempo. Os recentes cortes na produção de alumínio global não estão nem perto de originar uma recuperação substancial nos preços do metal”, afirmou o banco em documento.

rn

Para o petróleo, por outro lado, as perspectivas são de continuidade de alta, diante da forte demanda física pela commodity. No acumulado do mês, o Brent avançou 3,57%, sendo que em doze meses, apresentou alta de 9,46%. O risco político continua em voga, no entanto, com a disputa em torno do programa nuclear do Irã.

rn

 

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Serabi aumenta reservas de ouro em 31%

12 de dezembro de 2017

A Serabi Gold disse ontem (11) que a nova estimativa de reservas minerais provadas e prováveis para as minas de…

LEIA MAIS

Fabio Schvartsman participa de evento corporativo em São Paulo

16 de abril de 2018

O diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, participou, no dia 10 de abril, do Itaú Macro Vision, evento voltado para o…

LEIA MAIS

IBRAM promove em agosto a 9ªedição do CBMINA

28 de fevereiro de 2018

As inscrições para submissão de trabalhos podem ser feitas até o dia 13 de abril O Instituto Brasileiro de Mineração…

LEIA MAIS