NOTÍCIAS

O carvão como riqueza inexplorada em Santa Catarina

7 de fevereiro de 2013

rnO presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, visitou hoje o presidente da Assembleia, Joares Ponticelli, quando manifestou a intenção da entidade em trabalhar para que o uso do carvão mineral catarinense como fonte en

rn

O presidente da Fiesc, Glauco José Côrte, visitou hoje o presidente da Assembleia, Joares Ponticelli, quando manifestou a intenção da entidade em trabalhar para que o uso do carvão mineral catarinense como fonte energética seja retomado.

De acordo com Côrte, o tema foi um dos destaques do encontro, no qual foram debatidos ainda o aprimoramento da capacitação profissional e as perspectivas de aumento da atividade industrial catarinense em 2013. “Viemos registrar nosso apreço e admiração pelo novo presidente e manifestar o propósito de trabalharmos juntos em temas que favoreçam o desenvolvimento do estado”, disse.

Para Ponticelli, a região tem muito a ganhar com a retomada da extração e do uso do produto. O tema vem sendo trabalhado em conjunto com o Parlamento do Rio Grande do Sul, estado que detém as maiores reservas do minério no país, logo à frente de Santa Catarina. “Já existem tecnologias que tornam o carvão uma alternativa extremamente viável sob o ponto de vista econômico e ambiental. A Alemanha é o maior exemplo, país que possui 40% de sua matriz energética ligada ao produto”. De acordo com ele, a presidente Dilma Rousseff também já se manifestou favorável à ideia, anunciando a realização dos primeiros estudos para a utilização da matéria-prima na produção de energia.

rn

Santa Catarina possui a segunda maior reserva carbonífera do país
Pioneira na produção do mineral, com a descoberta de uma jazida no município de Lauro Müller em 1827, Santa Catarina possui a segunda maior reserva do país, estimada em 32 bilhões de toneladas.

O minério está concentrado principalmente nos três estados do Sul, sobretudo no Rio Grande do Sul, que possui 89,25% do total, seguido de Santa Catarina, com 10,41% e Paraná, com 0,32%.
O carvão catarinense, do tipo betuminoso alto volátil A, entretanto, é considerado de melhor qualidade, sendo utilizado principalmente na produção de termoeletricidade e indústrias cimenteira, de papel celulose, cerâmica, de alimentos e de secagem de grãos.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: Diário Catarinense

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Anote na agenda: inauguração do Hub da Mineração será em 17 de janeiro

14 de janeiro de 2019

O Mining Hub ou Hub da Mineração, um dos mais inovadores projetos do setor mineral internacional, já tem data marcada…

LEIA MAIS

Vale abre inscrições para Programa Global de Trainee

10 de setembro de 2018

Estão abertas as inscrições para o Programa Global de Trainee da Vale. São 40 vagas, das quais 23 para o…

LEIA MAIS

Royalty: mineradoras recolhem mais CFEM em 2018

5 de abril de 2018

A arrecadação da Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), considerada o royalty da mineração, totalizou R$ 211 milhões no mês…

LEIA MAIS