NOTÍCIAS

Política muda e geração de térmicas será permanente

10 de janeiro de 2013

rnAinda ontem o governo federal indicou que pretende desligar gradativamente as usinas térmicas assim que os reservatórios das hidrelétricas voltarem ao nível normal. Apesar disso, os planos para as térmic

rn

Ainda ontem o governo federal indicou que pretende desligar gradativamente as usinas térmicas assim que os reservatórios das hidrelétricas voltarem ao nível normal. Apesar disso, os planos para as térmicas alimentadas a gás natural e carvão seguem em outra direção. No médio prazo, o Ministério de Minas e Energia pretende que essas usinas, hoje só acionadas em caráter emergencial, passem a fazer parte constante da matriz energética do país. Isso significa que elas entrarão para a base do sistema elétrico nacional e funcionarão durante todo o ano, sendo paralisadas somente para manutenção.

rn

Ao incluir as térmicas na base da geração, o governo quer garantir a segurança energética, embora isso signifique, no médio prazo, aumento no custo da energia e maior impacto ambiental. A decisão pode resultar em uma reviravolta entre os projetos de térmicas movidas a carvão mineral, um tipo de geração que desde 2009 não tem nenhum empreendimento incluído em leilões de energia, por conta de compromissos ambientais assumidos pelo Brasil.

rn

A meta do ministério é diversificar a matriz energética brasileira, atualmente com mais de 70% de geração hidrelétrica. No longo prazo, mesmo com os novos empreendimentos planejados ou em construção, essa participação cairá para perto de 50%. Cerca de 30% ficarão por conta de fontes renováveis, como eólica e biomassa, e os 20% restantes virão das usinas térmicas, movidas principalmente a gás e carvão, já que os novos projetos nucleares não têm data para sair da gaveta.

rn

O plano para as térmicas foi confirmado ao Valor pelo secretário de planejamento e desenvolvimento energético do ministério, Altino Ventura Filho. “Até hoje as térmicas foram contratadas como usinas de complementação, mas elas passarão a ser contratadas como usinas de base”, disse Ventura.

rn

 

rn

 

rn

 

Fonte: Valor Econômico

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Venda interna de aço cresce 2,3% em 2017

23 de janeiro de 2018

As vendas internas cresceram 2,3% em 2017 e atingiram 16,9 milhões de toneladas, de acordo com dados do Instituto Aço…

LEIA MAIS

Vale anuncia a venda dos seus ativos de nitrogenados e fosfatado em Cubatão à Yara

21 de novembro de 2017

A Vale informa que celebrou um acordo de compra de cotas com Yara International ASA, empresa listada na Bolsa de…

LEIA MAIS

Fabio Schvartsman participa de evento corporativo em São Paulo

16 de abril de 2018

O diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, participou, no dia 10 de abril, do Itaú Macro Vision, evento voltado para o…

LEIA MAIS