NOTÍCIAS

Austrália diminui número de firmas que pagarão taxa de carbono

18 de junho de 2012

rnA Austrália cortou quase pela metade a quantidade de empresas que precisarão pagar uma controversa taxa carbono, mostrou uma lista do governo lançada nesta sexta-feira (15), o que pode limitar o impacto econômico e pol&ia

rn

A Austrália cortou quase pela metade a quantidade de empresas que precisarão pagar uma controversa taxa carbono, mostrou uma lista do governo lançada nesta sexta-feira (15), o que pode limitar o impacto econômico e político da taxa, que começa em 1º de julho.

rn

 

rn

O Regulador de Energia Limpa da Austrália nomeou 294 firmas para a taxa de carbono de A$23/tonelada (US$ 22,96), com os produtores de eletricidade, fabricantes de aço e companhias de mineração entre os maiores emissores. A lista foi baseada na geração de emissões.

rn

 

rn

A lista é bem menor do que a estimativa inicial do governo de que cerca de 500 companhias seriam forçadas a pagar o preço do carbono para poluir, esquema criado para cortar as emissões de carbono australianas em 5% até 2020 em relação aos níveis de 2000.

rn

 

rn

“É um número pequeno de entidades dentro de nossa economia que terá a responsabilidade do preço do carbono”, falou o ministro de Mudanças Climáticas, Greg Combet, a repórteres.

rn

 

rn

Sob o plano, o preço do carbono será estabelecido em A$23/tonelada por três anos, antes de se transformar em um esquema de comércio integral, com um preço variável, a partir de julho de 2015.

rn

 

rn

O governo já começou a implantar um programa de desconto de bilhões de dólares para residências para compensar o impacto inflacionário modesto de 0,7% do esquema, com os preços da eletricidade devendo ser os mais afetados.

rn

 

rn

Uma pesquisa do respeitado Instituto Lowy revelou que 63% dos eleitores se opõem ao preço do carbono, enquanto 57% apoiam a promessa do líder da oposição, Tony Abbott, de abandonar o esquema se Abbott ganhar a próxima eleição, prevista para o final de 2013.

rn

 

rn

A primeira-ministra, Julia Gillard, espera uma mudança na reação dos eleitores para neutralizar o persistente ataque da oposição sobre os preços mais altos, perda de empregos e fechamentos de fábricas.

rn

 

rn

Para amortecer o impacto econômico, o governo oferecerá uma compensação generosa às grandes indústrias poluidoras e oferecerá permissões grátis para as maiores indústrias de exportação expostas ao esquema.

rn

 

rn

A Austrália, a maior nação exportadora de carvão do mundo, é uma das maiores emissoras de carbono per capita do mundo devido à grande dependência do carvão para a geração de 85% da eletricidade, embora o país seja responsável por apenas 1,5% das emissões globais.

rn

rn

 

Fonte: Carbono Brasil

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



Belo Horizonte é o terceiro mercado de coworking no Brasil

27 de novembro de 2018

Maior empresa do setor no mundo lança espaço de seis andares na cidade Terceiro maior mercado de coworkings do Brasil…

LEIA MAIS

Anote na agenda: inauguração do Hub da Mineração será em 17 de janeiro

14 de janeiro de 2019

O Mining Hub ou Hub da Mineração, um dos mais inovadores projetos do setor mineral internacional, já tem data marcada…

LEIA MAIS

IBRAM realiza pesquisa sobre o que o público gostaria de ver na próxima edição da EXPOSIBRAM

8 de outubro de 2018

O que você gostaria de sugerir para a próxima edição da  Expo & Congresso Brasileiro de Mineração (EXPOSIBRAM)? Considerada a principal vitrine…

LEIA MAIS