NOTÍCIAS

Novo mineral é descoberto no sul de São Paulo

16 de junho de 2015

Cristais de melcherita têm a mesma estrutura de substâncias sintéticas muito utilizadas na medicina e na indústriarnA partir de uma rocha encontrada pelo engenheiro de minas Luiz Alberto Menezes, em Cajati, município

Cristais de melcherita têm a mesma estrutura de substâncias sintéticas muito utilizadas na medicina e na indústria

rn

A partir de uma rocha encontrada pelo engenheiro de minas Luiz Alberto Menezes, em Cajati, município no sul do estado de São Paulo, foi descoberto um novo mineral: a melcherita. O processo de análise e descrição foi feito pelo professor Daniel Atencio, do Instituto de Geociências (IGc/USP), juntamente com Marcelo Andrade, pesquisador do Instituto de Física de São Carlos (IFSC/USP).

rn

A melcherita foi o segundo hexaniobato encontrado no mundo; o primeiro havia sido descoberto em 2014, na Noruega. Os hexaniobatos são compostos que possuem octaedros de nióbio e oxigênio, unidos em grupos de seis, e até então só existiam em substâncias sintetizadas em laboratório. Elas são importantes para setores como a indústria química e a medicina, por exemplo, atuando em drogas inorgânicas que imobilizam vírus, inclusive o da aids.

rn

Apesar das recentes descobertas, os hexaniobatos devem continuar sendo sintetizados para esses fins, já que aparecem em quantidades muito pequenas na natureza. Ainda não foram feitos estudos comparativos entre o hexaniobato natural e o sintético.

rn

Além de nióbio e oxigênio, a melcherita é composta por bário, cálcio, magnésio e água. Tem coloração bege e foi encontrada numa pedreira de carbonatito em Cajati, 232 quilômetros ao sul da cidade de São Paulo; dessa mesma pedreira vieram todos os cinco minerais descobertos no estado. Já o nome é uma homenagem ao professor Geraldo Conrado Melcher, da Escola Politécnica, um dos primeiros a estudar a rocha onde o mineral foi encontrado.

rn

Descobrir minerais

rn

O processo de comprovação de um novo mineral é trabalhoso. No caso da melcherita, levou cerca de dois anos, entre análises químicas e cristalográficas que permitem detectar sua estrutura, composição e propriedades. Depois de perceber que essas características eram realmente únicas, Atencio encaminhou uma descrição detalhada para a Associação Mineralógica Internacional (IMA) e recebeu a aprovação no final de abril deste ano. O próximo passo é publicar o trabalho numa revista científica.

rn

A melcherita é o número 30 da lista de minerais catalogados por Atencio, um dos poucos que se dedicam a essa atividade no país. “A Itália, que é pequena, tem mais de 200 pessoas fazendo esse trabalho que eu faço”, comparou. No Brasil, foram descobertos 67 novos minerais até hoje. “Isso é pouquíssimo. Por exemplo, em outros países, numa única pedreira descobriram 200 minerais diferentes”, completou o professor.

rn

 

rn

 

 

Fonte: Instituto de Geociências – USP

Compartilhe:

LEIA TAMBÉM



AngloGold Ashanti aprimora frota de subsolo

14 de janeiro de 2019

Dois novos jumbos, com investimento de R$ 10 milhões, foram adquiridos para operações de Minas Gerais Cerca de R$ 10…

LEIA MAIS

Fabio Schvartsman participa de evento corporativo em São Paulo

16 de abril de 2018

O diretor-presidente da Vale, Fabio Schvartsman, participou, no dia 10 de abril, do Itaú Macro Vision, evento voltado para o…

LEIA MAIS

Comitiva Brasileira marcará presença na edição de 2019 do PDAC

19 de setembro de 2018

Considerado um dos mais tradicionais eventos de mineração mundial, o Prospectors and Developers Association of Canada será realizado em Toronto…

LEIA MAIS